Aprenda a fazer passo a passo

Aprenda a fazer passo a passo

Tecnologia do Blogger.

Email Subscribe

Tags

Videos feltro Crochê Dicas PSICOPEDAGOGIA Artesanato AEE Vestidos Como Fazer Lembrancinhas enfeites Blusas NEUROPSICOPEDAGOGIA ATIVIDADES DO 1º AO 5º ANO Deficiência Intelectual artesanato em feltro felt Passo a Passo Decoração Alfabetização Passa Tempo Infantil molde Decorar craft Natal AUTISMO Jogos Bebê passarinho Tecido Matemática bichinhos Língua Portuguesa TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM Games Patchwork boneca enfeite de porta chaveiro Casa PaP Moda EDUCAÇÃO INFANTIL Meus trabalhos com Tecidos flores moldes de feltro guirlanda Primeiro Ciclo 2º Ano curso de feltro letras enfeite de mesa Artigos Saias arte em feltro 1º Ano menina Criança Tops craft felt pingente Crochet Atividades de natal aniversário corujinha macaquinho papai noel Datas comemorativas Dislexia PSICOMOTRICIDADE Atividade Festas Juninas safari porta-maternidade ursinho 3° Ano 4º Ano Apartamento Ciências Dicas Para o Mestre Túnicas coruja girafinha leãozinho Produção de texto Texto e Interpretação bonequinha fieltro Tricô decoração baby fazendinha hipopótamo rena Dia da Consciência Negra Dia das crianças Páscoa Receitas elefante menino Lúdico ovelhinha tigre Atividades de matemática Atividades sobre Pronomes Olimpíadas Saúde Tag bailarina Atividade Língua Portuguesa 2º Ano Construção e Reformar papel princesa zebrinha DISCALCULIA Molde para maquete Presentes handmade felt tutorial Capas de caderno Chapeuzinho Vermelho Folclore Meio ambiente WIP por aí quadrinho bastidor Atividades de Português Atividades para o dia das mães christmas felt coelhinho fotografia móbile navidad fieltro sachê Atividade Matemática 1º Ano Casaquetos Chá de bebê Cozinha Decoupage Dia das Mães Gráficos Moldes cachorrinho felt handmade Atividade Língua Portuguesa 3º Ano Atividades de Inglês Atividades de colorir para o Natal Curso Diversas atividades de artesanato Formatura educação infantil Interpretação de texto curto Jogos de Alfabetização Produção textual Receita anjo balão quadrinhos trabalhando... Atividade Língua Portuguesa 4º Ano Atividades Halloween Atividades de Substantivos Atividades geometria plana e espacial Dia da Bandeira Dia da arvore Proclamação da República Roupas Saude e Beleza Segundo Ciclo SÍNDROME DE DOWN borboleta cartão cursos online decoração em feltro eduK porquinho 5° Ano Atividade Língua Portuguesa 1º Ano Atividades dia dos pais Branca de Neve Coletes Educação Infantil Festa Gramática Meninas PRODUÇÃO DE MATERIAIS ADAPTADOS Planos de Aula boneco cavalinho christmas circo craf felt handmade enfeite na mídia quinta flor safari baby árvore de natal Artes Atividade Matemática 2º Ano Atividades Copa do Mundo 2014 Atividades de História Atividades higiene e saúde Atividades para o dia do circo Atividades para páscoa Cursos Fotos Ganhar Dinheiro Interpretação de texto Molde de letras para mural Mulher Renda Extra apostila feltro boneco de neve handmade livro infantil pinguim porco-espinho quinta flower vaquinha vídeo 5º Ano Adição Apostila Atividade Língua Portuguesa 5º Ano Atividades Língua Portuguesa Atividades de Consciência Fonológica Atividades de Português 1° ano Atividades de geografia Atividades numerais Auto ditado Carnaval Geografia Grafico Gravidez Multiplicação Tildas Turma da Mônica boizinho cogumelo lembrancinha molde feltro nuvem parceria patrones fieltro poemas recadinho 2° Ano Atividade para crianças com dislexia Atividades Fábulas Atividades Matemática 3° Ano Atividades bíblicas Atividades coordenação motora Atividades de ciências Atividades dia do indio Atividades para o primeiro dia de aula Atividades sobre o carnaval Barradinhos Bordado Bordados Casamento Contas Armadas Dia do índio Diversos Espaço do Educador Halloween Helena História Interpretação de texto em quadrinhos Molde boneca Prova de português Santa Claus felt Saídas de Praia Sequências Didáticas carneirinho doll doll felt enfeite de feltro estrelinha felt craft festa junina flor galinha moldes em feltro palhacinho Atividades Paralimpíadas Atividades de Singular e Plural Atividades para o dia da Terra Bem Estar Boleros Diversos Molde Feltro Santa Fé Jogos Educativos Meus trabalhos em MDF Mimos Molde Bailarina Papai noel em feltro Projeto Primavera Separação de Sílabas Sistema digestório Sugestões para Lembrancinhas Sítio do Pica Pau Amarelo Tabuada Divertida Tilda anjinho baby felt ballet feltro botões chef cozinheiro easter felt enfeite de natal entrevista esquilo feltro Mewi flores de crochê floresta gaiola gatinho historinhas joaninha lobo mau molde corujinha passo a passo feltro pendente pintinho raposa reindeer sacolinha santa claus sapo vovozinha 1ª comunhão 1° ano Adaptação escolar Adjetivo Atividade Ciências 2° Ano Atividade Ciências 3° Ano Atividades 1° dia de aula Atividades Matemática 2° Ano Atividades para volta as aulas Conserto Crachás Dengue Dia do Circo Dia do Livro Infantil Dietas Eventos Fascículo Catarina's Frações Giovana Dias Guirlandas Gênero Textual Minha Casa Noel Ortografia Planejamento anual Quadros de Horário Sala Sequência Didática A Casa e Seu Dono Subtração Trabalhos de Amigas Vanessa Montoro agulheiro anjinho feltro apostilas grátis aviso boneca de feltro boneca feltro casinha convites coração feliz natal felt christmas feltro molde fuxico maçã molde Pequeno Príncipe molde anjinho molde artesanato em feltro molde de unicórnio molde em feltro monstrinhos navidade fieltro claus own felt patrones de fieltro prendedor de cortina presente páscoa feltro santinho sapinho sorteio topper para cupcake unicorn felt unicórnio em feltro ursinho em feltro Abolição à Escravatura Alzira Vieira Anjos Atividade Ciências 1° Ano Atividade Geografia 5º Ano Atividade Matemática 5º Ano Atividades Língua Portuguesa 2º Ano Atividades de Português 2° ano Atividades de Português 3° ano Atividades de Português 4° ano Atividades de Profissões Bonecas de Pano Bruxinha Caderno de Atividades Ideia Criativa Grátis Cantinho da Matemática Cartazes Caça Palavras Classes Gramaticais Classificação de Sílabas Combate a dengue Contos de Fada Cruzadinhas Descobrimento do Brasil Dia da Água Dia do Trabalho Divisão EJA EVA Erica Catarina Moldes Feliz dia do Artesão Galinhas Jardim Marchinhas de Carnaval Medidas de Tempo Modelos de Avaliação Molde passarinho Nossa Senhora das Graças Operações Básicas PNAIC Painéis para sala de aula Pequeno Príncipe Poema Projeto Carnaval Pronomes Pessoais Semana Farroupilha Simuladinhos Sistema Solar Sondagem Sílabas Complexas alce angel felt apostilas grátis feltro baby shoes bailarina em feltro bear felt boneca japonesa book botinha broche bunny felt caixa caracol cavalo em feltro chá de panela dinossaur felt fada fauna brasileira felt bunny felt rabbit feltro artesanato feltro fácil kokeshi lenhador marcador maternidade feltro mestre cuca molde Branca de neve molde de feltro molde de ursinho molde menina moldes artesanato mãezinha do céu namorados natal feltro onça pintada pequeno príncipe em feltro perro promoção príncipe página santinha em feltro ursinhos urso urso em feltro veado árvore "prendedor de cortina" 7 anões Acento Agudo Acento Circunflexo Acentuação Alimentação Saudável Anna Kosturova Atividade Ciências 4° Ano Atividade Geografia 4º Ano Atividade Sílabas Alfabetização Atividades 1° Ciclo Atividades Cultura Indígena Atividades Filme Enrolados Atividades Filmes Atividades Geografia Atividades Matemática 4° Ano Atividades Poesia Atividades Turma da Mônica Banheiros Batas Beleza Biscuit Blog Body Branca de Neve e os 7 Anões Cadernos de Atividades Carreira e Trabalho Carteiras Casacos Casinha Cachinhos Dourados e 3 Ursinhos Cecília Meireles Cinderela Colorir Construção e Reforma Deita Desafio Matemático Detalhes Dia dos professores Diminutivo e Aumentativo Dobro Eletroportáteis Fases da Lua Fuxicos Gadget Iemanjá Imagens Lazer e Cultura Leitura Deleite Livrinhos Livros para Baixar Madrasta Mamãe Noel Mega artesanal 2013 Meios de Transportes Meninos Molde coruja Molde flores Molde para feltro Molde ursinhos Murais Móveis Navidade Números Ordinais Outras PAP Porta Celular em Tecido Profissões Projeto Dengue Zika e Chikungunya Quartos Rainha Má Recorte e Colagem Saci Sapatinho Selinhos Sequência Didática A Galinha Ruiva Sequência Didática A Girafa Problemática Sizzix Big Shot Terrário Texto Aglutinado Tiradentes Trabalhando Horas Vogue Vídeos Yemanjá abelhinha abelhinha feltro alfabeto alfabeto em feltro amor animais em feltro animales fieltro anjinha feltro anjo feltro apostila boutique do feltro art felt artesanato feltro aviador balão em feltro bambi bebé fieltro; baby felt; bebê em feltro bebê em feltro bebê feltro bee felt bichinhos em feltro boneca bailarina boneca em feltro boneca margarida boneca russa boneco do chaves; chaves em feltro; chaves molde; el chavo fieltro bota de natal cachorro caderno decorado caipira catavento cavalinho em feltro chaves chá de lingerie coelha coelhinho feltro coelho coelho feltro cook felt cookies coroa coruja feltro corujinha em feltro cowboy cupcake decoração feltro dinossauro feltro dog dragãozinho easter escritores fairy felt feliz ano novo felt diy felt little prince feltro bonequinha feltro corujinha feltro passo a passo feltros Mewi fieltro cocinero florzinha flower fotos de clientes gatinho feltro gato feltro graças feltro heróis em feltro histórias jabuti jacaré jesus lembrancinhas em feltro letras em feltro magic marcador de livros matrioska molde abelhinha molde artesanato molde bebê em feltro molde bichinhos molde bonequinha molde coelhinha molde cozinheiro molde de anjinho molde de bailarina molde de boneca molde de coruja molde de gatinho em feltro molde gatinho molde guirlanda molde leão molde meia bota natal molde menino molde nossa senhora molde papai noel molde princesa molde safari molde ursos moldes de unicórnio moranguinho mágico máquina de corte e emboss móbile de berço navideñas noivinha noivos nossa senhora em feltro owl felt palhaço pannolenci pano papagaio passarinho em feltro peixe feltro pequena sereia perrito pomba em feltro pombinha ponteiras porta porta feltro santa em feltro sereia stocking felt christmas tamanduá-bandeira ted felt teddy felt topo de bolo Árvore Genealógica ímã (PAP) Boneca de Pano (PAP) Cestinho Porta-Pão (PAP) Cestinho em Tecido (PAP) Como fazer barrado em pano de prato (PAP) Como fazer uma necessaire sem zíper (PAP) Porta Absorventes (PAP) Porta Celular em Tecido (PAP) Porta Lápis (PAP) Porta Moedas ou Porta CD (PAP) Saquinhos para Presentes em Tecido Adsense Agostina Bianchi Algarismos Romanos Almofada feltro Ana Maria Braga Animais Selvagens Apostilas Artigo Atividade Animais Atividade Ciências 5° Ano Atividade Dia do Livro Infantil Listagem de palavras Atividade Geografia 2° Ano Atividade Geografia 3° Ano Atividade História 3º Ano Atividade Meios de Transporte / Terrestre Aquático e Aéreo Atividades Consciência Silábica Atividades Estações de Ano Atividades Filme Croods Atividades Geografia 5° Ano Atividades Interpretação de texto dia dos Pais Atividades Letra Cursiva Atividades Libras Atividades Luiz Gonzaga Atividades O Sanduiche da Dona Maricota Atividades dia dos Pais ensino fundamental Atividades dia dos pais alfabetização Atividades para o dia dos Pais Aula Entrevista Biomas Blusa e Saia de Crochet Boneca Annie Boneca de Pano Bookmark felt Borboletas Bota feltro Bota natal Butterfly felt Cachecóis Capas de Atividades Capinha Capitais do Brasil Cardigã Cartelas de Bingo Cartões Chaves baby Chaves em feltro Cheff Como fazer artesanato em feltro? Molde de boneca em feltro Como fotografar seus produtos Copa do mundo Cores Primárias Coruja Erica Catarina Corujinhas Erica Catarina Códigos Desenhos para colorir Dia da Mulher Dia do Idoso Dia do Professor Dia mundial da saúde Dias dos namorados Diploma dia dos Pais Documentários Dúzia Dúzia e Meia Dúzia Educação Especial Ei menina Encontros Consonantais Encosto Escrita Espontânea Estados do Brasil Família Real Feltro 25 de março Feltro Moldes Feltro Moldes blog Feltro Moldes oficial Figuras Geométricas Figuras de Linguagem Filz Fiona em Feltro Flash Cards Frases Galinha Pintadinha Geometria Guaxinim em feltro Homem Inauguração Janaína Mendonça Jesus em feltro Joaninha em feltro Jogo da Trinca Jogos de Análise Fonológica Kátia Portes Lalaloopsy molde Lembrancinha Volta às Aulas Lembrancinha dia dos Pais Lenda de Natal Letra Inicial Linguagem M antes de P e B Maior que e Menor que Maiôs Mamíferos Masculino e Feminino Maçãs Mega Artesanal Mega artesanal 2014 Meia Dúzia Michael Kors Modelos de Avaliação Geografia Molde Girafa Molde arvore Molde bailarina Erica Catarina Molde coruja Erica Catarina Molde de feltro Bebê Molde elefante Molde hipopótamo Molde macaco Molde magali Molde urso Molde zebra Mosaico Mural dia dos pais Mônica Música na Educação Infantil Natal Cristão Nova Ortografia Onomatopeia Oscar de la Renta PAP Cenoura de Tecido PAP Como fazer barrado em pano de prato - Sugestão 2 PAP Como fazer barrado em toalha PAP Como fazer uma Necessaire PAP Coruja de tecido PAP Lancheira PAP Maçã em Tecido PAP Passarinho de Tecido PAP Porta Cartões ou Carteirinhas de Tecido PAP Porta Lenços em Tecido PAP Porta Lápis de Tecido PAP Porta Travessas PAP guirlanda à maquina PCN PDF Palestras Papai Papelaria personalizada Par e Ímpar Parte 3 Passo a passo do ponto caseado Passo-a-Passo boneca Pintura Direcionada Pirâmide Alimentar Placas para Portas Planejamento Anual Artes 5º Ano Pontilhado Ponto caseado Ponto caseado em feltro Pontos Cardeais e Colaterais Presépio Projeto Circo Projeto Mensagem para Você Trabalhando Escrita Convencional Projeto Música na Escola Projeto Trânsito Projeto dia dos Pais Promoções Pronome Pronomes de Tratamento Pucca Puzzle Reflexões Regras Gramaticais Rendicolla Rex molde Rihanna Rimas Rosa Rosa dos Ventos Rudolph feltro Ruth Rocha Saída de Praia Selena Gomez Sequencia Didática Parlendas Sequencia de Números Sequência Didática Casa de Bruxa Sequência Didática Livro A vaca Mimosa e a Mosca Zenilda Sequência Didática Poema Bola de Gude Sequência Didática Poesia Sequência Didática Turma da Mônica Shrek em feltro Silabários Simetria Sinônimos Sistema Monetário Substantivo Sugestões de Aula Sílabas Tônicas Sólidos Geométricos TDAH Textos Infantis Textos Reflexivos Tipos de Solo Vintage Vitaminas Volta às Aulas abelha abelha feltro academica em feltro agulhas agulhas artesanato em feltro agulheiro em feltro agulheiro feltro ajustando moldes alfabeto feltro alfazema alfineteiro alfineteiro em feltro alfinetes ampliando moldes angel angelito angelito fieltro animais feltro anjinha anjinho feltro anjinho coração anjinho de feltro anjinho em feltro anjinhos em feltro anjo de feltro ano novo feltro apostila de feltro apostila de ursinho apostila do chaves apostila para artesanato em feltro apostila érica Catarina ariel feltro arraia arte arte em feltro. artesanato em feltro. Feltro fundo do mar. Decoração fundo do mar em feltro. Moldes de feltro artesanato fácil. artesanato ovelhas artesanato terapêutico artesanato unicórnio asas aviador em feltro aviador feltro azevinho baby felt owl bagno bailarina feltro baleia ballerina felt balonismo banheiro batizado batizado feltro batom feltro bebé fieltro bebê borboletinha em feltro bebê coruja menina em feltro bebê sapo sapinho em feltro bebê ursinho em feltro bird felt biscoito de natal boas vindas feltro bolo de banana bolo de fralda boneca abelhinha feltro boneca em pé boneca em pé sozinha boneca enfermeira boneca formatura boneca joaninha boneca joaninha em feltro boneca molde boneca pernuda boneco em feltro boneco surfista em feltro molde bonequinha em feltro bonequinha feltro bonequinhas em feltro borboleta feltro borboleta molde borboletas em feltro borboletinha feltro borboletinhas em feltro bota de natal feltro bouquet bunny cachorrinho em feltro cachorro feltro cadeira caderno calça caneca caneta feltro capa capela em feltro capinha para celular em feltro capitão américa em feltro carimbos marcadores carruagem de feltro casal cascão cascão em feltro cat felt cavalinhos cavalo marinho caveirinha cebolinha cebolinha em feltro cegonha em feltro cegonhas celular cenoura cha de bebê chaveiro flor chaves baby em feltro chaves passo a passo chef de cozinha chef de cozinha em feltro chespirito fieltro chicken felt chiquinha chucky em feltro chucy craft chuky felt circus claus clock clown clown felt cocinero coelha feltro coelhinha coelhinha feltro coelhinho em feltro coelho coelhinho em feltro coelho em feltro coelho molde como fazer feltro como fazer flor como fazer lavanda como riscar no feltro comunhão concha conejo fieltro contorno em feltro coração de natal cortina coruja de tecido coruja em feltro corujas cozinheira craft diy craft handmade crib cruz feltro cuarto de baño curso de artesanato em feltro curso de feltro Brasil curso feltro curtain felt cálculo artesanato cálculo peças decor decoration decoration craft decoração com bonecas em feltro decoração corujinha decoração de natal em feltro decoração festa junina decoração princesa decoração sereias dedoche dente de feltro; tooth teeth felt; fieltro; ponteira dentinho; dentista; feltro; ponteira dente; dentinho dentes dentinhos dentista desenho dia dos namorados dia dos pais dinos em feltro dinosaurio fieltro dinossauro dinossauro em feltro dinossauros decoração disney feltro diy diy cavalinho diy chuky diy felt diy feltro diy handmade el chavo fieltro embalagem emília enfeite cegonha enfeite de anjinho enfeite de porta em feltro enfeite dente; natal dente; natal dentinho enfeite em feltro enfeite unicórnio enfeites natalino feito com feltro enfermeira esmalte feltro espantalho em feltro espantalhos festa junina estrela do mar etiqueta adesiva faca sizzix fada em feltro fadinha fadinhas fadinhas em feltro fairy fazendinha em feltro febre feltro feira felt alphabet felt angel felt baby felt ballet felt bear felt dog felt doll felt easter felt easy felt fly felt fuffly felt handmand felt ladybug felt letter felt medic felt minnie felt miraculous felt names felt pacman felt santa claus felt ted felt yemaya feltro sandalhinha feltro Mônica feltro algulheiro feltro animais feltro ariel feltro bebê feltro bota natal feltro chaves feltro coelha feltro cortina feltro coruja feltro cálculo feltro enfeite feltro enfermeira feltro flores feltro frida kahlo feltro ideias feltro lápis feltro marcador feltro moranguinho feltro natal feltro on-line feltro onde comprar feltro pac man feltro santa luzia feltro santo Antônio feltro sapatinho feltro sereias feltro unicórnio festa junina feltro festa princesa feutre fieltro conejo fieltro navidade fieltro santa claus fieltro santito Sancto filho(s) fio de flores iluminadas fish flor de feltro flower felt flâmula em feltro formatura em feltro frozen fruits felt frutas feltro frutinhas em feltro fundo do mar fundo do mar em feltro fácil férias gajina. galinha em feltro gatinhos em feltro girafa em feltro giraffe in felt girafinha em feltro girassol girassol flor guaxinins em feltro gueixa guirlanda de feltro guirlanda de gatinhos feltro guirlanda de natal em feltro hadla handcraft giraffe handmade craft handmade feltro heart hohoho feltro homem aranha em feltro horse felt hulk em feltro ideias iemaya ilustração joaninha feltro joaninha molde keinia araujo kiko lavanda lavanda feltro lembracinha bailarina lembrancinha batizado em feltro lembrancinha em feltro lembrancinha unicórnio letras com contorno letras decoradas letrinhas em feltro leão em feltro linguado feltro linha artesanato em feltro linhas little prince logo lua lucro artesanato lápis em feltro lápis feltro macaco em feltro macaquinho em feltro magali malabarista mamy claus mamãe mamãe noel em feltro marca páginas marca páginas de feltro marcador de páginas em feltro marcador páginas marinheiro married materiais para artesanato em feltro maternidade em feltro meia meia de feltro meia de feltro natal meia de natal feltro; stocking christmas felt meia pérola menina coelho coelhinha feltro mermaid felt merry christmas mickey feltro mimo mimo bailarina miney feltro mini minnie feltro miraculous em feltro mlode moana em feltro moda feltro molde anjo molde flores molde 7 anões molde Ana molde Cinderela molde Elza molde Mônica molde Rapunzel molde abelha molde ano novo molde banheiro feltro molde batom molde bebê molde bebê feltro molde bolsinha molde boneca Erica Catarina molde borboleta molde cachorrinho molde cavalinho molde cavalo molde chaves molde chaves feltro molde chef molde chef de cozinha molde chá de bebê em feltro molde coelha molde cupcake molde de anjo molde de borboleta molde de borboletinha em feltro molde de cavalo molde de coruja em feltro molde de corujinha molde de corujinhas molde de dinossauro molde de espantalho molde de fadas molde de flor em feltro molde de formatura molde de frutas molde de frutinhas molde de galinha molde de gatinho molde de gatos molde de guaxinim molde de guaxinins molde de guirlanda molde de jesus molde de joaninha molde de marinheiro em feltro molde de ovelha molde de pezinho molde de pirata molde de ponteira molde de princesa molde de sapatinho de bebê em feltro molde de sereia molde de unicórnio em feltro. Unicórnios moda molde de ursinho em feltro molde dia dos namorados molde dinossauro molde do alfabeto molde do chaves molde em PDF molde enfermeira molde esmalte molde fantasia bichinhos molde fazendinha molde fazendinha molde animais molde flor molde frida kahlo molde gueixa molde hei hei molde heróis molde jesus molde ladybug molde lembrancinha molde lembrancinha chá de bebê em feltro molde lembrancinhas em feltro molde letrinhas molde love molde mingau molde miraculous molde moana molde noivinhos molde ovelhinha molde pacman molde para artesanato molde pascoa molde pequena sereia molde princesa disney molde princesa em pdf molde principe molde raposa molde rena molde sandalhinha molde sansão molde santa molde sapatinho molde sapato molde selva molde sereia molde super homem molde tigre molde turma da mônica molde turma mônica molde unicórnio molde vaquinha molde yoshi moldes de abelhas moldes de anjinhos moldes de boneca moldes de bonecas moldes de borboletas moldes de dinossauros moldes de macaco moldes de macaquinhos moldes de passarinho moldes de piratas moldes de páscoa moldes do chaves moldes do snoopy moldes fundo do mar moldes gratuitos moldes monstrinhos moldes super mario moldes turma monstrinhos em feltro monstros monstros de feltro moon santa claus mulher maravilha em fetro máquina móbile de corujas móbile feltro nascimento feltro nata navidad neve noel deitado noivinhos nomes em feltro nossa senhora aparecida molde nossa senhora feltro onde comprar feltro oratório em feltro origem do artesanato em feltro ovelha em feltro ovelhinha em feltro own pacman page palha de aço palhacinho em feltro palhacinhos pap feltro papa noel papai noel lua em feltro papel higiênico passo a passo cegonha passo a passo guirlanda passo a passo natal feltro passo a passo snoopy passo a passo unicórnio passo a passo ursinho patrulha canina feltro patrulha canina molde paw patrol felt paz feltro peixinho peixinhos pendurado penguin pequena pequeno príncipe molde pernuda perro fieltro pescado pezinho de boneco pezinhos de bonecos em feltro pezinhos em feltro pincel felt pingente de natal pinheiro pipi room feltro pipoca piratas de feltro planilha artesanato planilha de cálculo pollo polvo pompom ponteira ponteira dentista lápis feltro ponteira em feltro ponteira feltro ponteira unicórnio poodle presilha feltro primeira eucaristia princesa em feltro princesa feltro princesas em feltro programas de edição páscoa em feltro páscoa molde pé de boneco em feltro pés em feltro recortes recortes em feltro religiosos feltro relógio reveillon feltro riscar riscar feltro preto rose rosário em feltro safári feltro sansão em feltro sansão feltro santa molde santinha feltro santo antônio santo antônio molde sapatinho de bebê sapatinho de bebê em feltro sapatinho de boneca sapatinho de feltro sapatinho feltro sapatinhos sapatinhos de bebê sapato feltro saquinhos chocolate em feltro saquinhos de coelhinho em feltro sea felt secador cabelo feltro sentado sereia em feltro sereias shoe baby shoes baby siri snoopy em feltro sorvete sorvete em feltro sorvetinho sorvetinho em feltro step by step doll step by step felt stocking storck storck felt strawberry felt sunflower super homem em heróis em feltro super homem feltro super mario feltro super wings superman felt superman molde supernan feltro surfista em feltro molde sustentabilidade tartaruga tartaruga alfineteiro tartaruga molde tema unicórnio tendencia feltro tendencia unicórnio terapia terapêutico terçinho em feltro terço em feltro tesanato em feltro thor em feltro tiara de meia touca touca de aviador toy art tubarão turma turma Mônica feltro turma da mônica em feltro turma moana em feltro turtorial tutorial boneca feltro tutorial cegonha em feltro tutorial feltro tutorial guirlanda tutorial passo a passo tutorial unicórnio unicorn craft unicórnio feltro unicórnios sucesso e tendência do momento. Moldes gratuitos de unicórnio. ursinha ursinha anjinha ursinho anjinho ursinho de feltro ursinho love em feltro vaso forrado com tecido viador virgencita fieltro vogais wc felt yoshi em feltro zebra zoo felt Água
c

Patchwork

[6][Patchwork][slider-top-big][Patchwork]

NEUROCIÊNCIA E O DÉFICIT INTELECTUAL: APORTES PARA A AÇÃO PEDAGÓGICA

| No comment

NEUROCIÊNCIA E O DÉFICIT INTELECTUAL: APORTES PARA A AÇÃO PEDAGÓGICA

RESUMO
Considera-se que alunos com déficit intelectuais, dentre os quais destacamos alunos com síndrome de Down, necessitam de intervenções metodológicas que lhes oportunizem o acesso ao conhecimento na escola. Esses alunos em razão das limitações decorrentes de seu desenvolvimento intelectual e cognitivo apontam particularidades quanto à aprendizagem, as quais devem ser consideradas pelo professor. Nesse sentido, o objetivo deste trabalho classificado como uma pesquisa bibliográfica, visa à compreensão das contribuições que a Neurociência possui para a aprendizagem desse público, em relação às dinâmicas e ações pedagógicas favorecedoras do acesso, permanência e desenvolvimento escolar como fundamentado pelos preceitos da educação inclusiva. As discussões visam avançar no debate da formação e atuação docente com base no reconhecimento das bases científicas cognitivas do aprendizado, e das facetas que compõem o cérebro e suas conexões, e como esses elementos favorecem não só a elaboração de estratégias que minimizem o impacto dos prejuízos decorrentes dos quadros de déficit intelectual, mas acima de tudo posicionem os docentes como agentes centrais no processo de mediação, ação esta que deve ser contemplada com base na compreensão das particularidades e potencialidades desses alunos, a luz dos avanços teóricos, científicos e procedimentais sob os preceitos da neurociência.
Palavras-chave: Neurociência. Síndrome de Down. Educação de Pessoa com Deficiência Intelectual. Inclusão Educacional.
ABSTRACT
It is considered that students with deficits Intellectuals, among which students with Down syndrome require methodological interventions that nurture them access to knowledge in school. These students due to the limitations resulting from their intellectual and cognitive development indicate peculiarities relating to learning, which should be considered by the teacher. In this sense, the aim of this work classified as a bibliographic research aims to understand the contributions that neuroscience has to learn that public, regarding the dynamics and favoring access, attendance and developing pedagogical actions as justified by the principles of inclusive education. The discussions aim to advance the discussion of training and teaching performance based on recognition of the cognitive science foundations of learning, and the facets that make up the brain and its connections, and how these elements not only promote the development of strategies to minimize the impact of losses of tables intellectual deficit, but above all to position teachers as key agents in the mediation process, this action should be contemplated based on understanding the characteristics and potential of these students, the light of theoretical, scientific and procedural advances under the precepts of neuroscience.
Keywords: Neurosciences. Down syndrome. Education of intellectually disabled. Mainstreaming (Education).

INTRODUÇÃO
De um total de 191,5 milhões de habitantes, o Brasil tem 2,6 milhões de brasileiros com déficit intelectual1. Esse número é grande e ganha destaque, principalmente, porque estamos na era da inclusão e a política educacional tem sido fortificante à causa da inclusão escolar. O número de pessoas com essa deficiência aumentou se comparado aos dois milhões de pessoas no Censo de 2000. Precisa-se considerar que admitir alunos com deficiência na escola é um grande passo dado por uma sociedade que almeja ser mais justa, mais solidária e mais democrática e, sobretudo, inclusiva. Vale ressaltar que, apesar desse movimento de colocar todas as crianças na escola, não se pretende aqui dizer que esta se efetive, sabe-se dos percalços que a inclusão enfrenta no país.
Sendo assim, frente a uma parcela representativa em nossa sociedade, há de se esperar que muitas sejam as políticas públicas direcionadas às pessoas com necessidades especiais. Mas, dentre todas as esferas, parece ser as políticas intituladas de propostas de inclusão escolar, que vêm promovendo discussões efetivas no cenário social2,3.
As discussões quanto à proposta de inclusão permeiam o panorama escolar há décadas, mas foi a partir de 1994, que as questões proclamadas ganharam foro mundial pela UNESCO, em documento intitulado Declaração Mundial de Salamanca4. Posteriormente, na América Latina, documentos como a Declaração de Guatemala5 e a Convenção Interamericana para a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra Pessoas com Deficiência6 deram novo impulso às discussões sobre a inclusão escolar.
Já no plano nacional e, mais recentemente, as Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica7, assim como a Resolução Nacional de Educação Especial na perspectiva da Inclusão8, são exemplos legais e políticos que amparam a temática da inclusão escolar, e que buscam acima de tudo reestruturar as bases organizacionais e pedagógicas das escolas para que venham a possibilitar a inclusão e permanência de seus alunos.
Os amparos legais vêm possibilitando gradativamente a inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais no ensino regular, fato que pode ser constatado pelos dados apresentados no Censo da Educação Básica, realizado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais no ano de 20068, finalizado e divulgado em 2008, que indica crescimento de 72,4% do número de matrículas realizadas em escolas regulares, o que, segundo análise, torna-se um favorável indicador para a inclusão escolar, mas que, no entanto, não garante que o direito de permanência e desenvolvimento desses alunos no ensino regular esteja sendo resguardado, apenas com a consideração do aumento de matrículas na rede regular.
O que se percebe, é que o embate decorrente da contradição entre o legalmente imposto e divulgado (pelas legislações e regulamentos educacionais) e o realmente possível (estruturação física, organizacional e humana das instituições escolares) delimita e amordaça as propostas de inclusão escolar, ao empregar ações cada vez mais descomprometidas, distantes das realidades sociais dos alunos, seus familiares e professores9-11.
Dentre as principais causas do distanciamento entre a intenção e a realidade educacional em nosso país12, podem ser destacados os seguintes pontos: a manutenção das formas hierarquizadas e pouco democráticas das ações políticas e interventivas, a desconsideração da história daqueles que vivem o dia-a-dia da escola13-15; a implantação das ações sem a articulação com a infraestrutura necessária; desconhecimento dos sujeitos e agentes envolvidos das reais finalidades das propostas implementadas16,17.
É na consideração desse novo contexto escolar, com a inclusão de todos os alunos, inclusive alunos com necessidades especiais, que atualmente, as escolas vêm sendo desafiadas, efetivamente, uma vez que essa população de alunos, explicitamente, caracteriza-se por possuir comprometimentos que afetam sua integridade, podendo trazer prejuízos à locomoção, à coordenação de movimentos, à sua fala, à compreensão de informações, à orientação espacial ou à percepção e ao contato com outras pessoas. Dentre esses prejuízos destacam-se as deficiências físicas, mentais, visuais e auditivas e, portanto, exigem novos posicionamentos que reconstruam o discurso enraizado frente ao oferecimento de ações educativas dispensadas a eles8.
Todavia, novos posicionamentos estão trazendo e alcançando modificações importantes sobre essa questão. Quando associada à ação educacional, a proposta inclusiva visa como foco central de atenção, a aplicação de práticas de ensino-aprendizagem que abranja todo e qualquer aluno, propondo, desenvolvimento a partir de suas próprias potencialidades, e, acima de tudo, embasada no respeito e na valorização das diferenças existentes entre as pessoas.
A política educacional inclusiva tem como propósito fundamental assumir e aceitar as diferenças humanas, modernizando e evoluindo as práticas educacionais, para que possam ser adaptadas a todas as necessidades dos alunos, ao invés, de se adaptar a criança às ações pré-concebidas a respeito do ritmo e da natureza do processo de aprendizagem. A democracia da educação só pode ser refletida em sistemas educacionais que apresentam como meta oferecer qualidade de ensino a todos os seus alunos, indistintamente, não aplicando uma vertente exclusiva para os alunos com necessidades educacionais especiais, pois, não se trata de uma educação especial para tais, mas sim para toda a sua clientela. No entanto, exige, constantemente, reformulações e novos posicionamentos, motiva a modernização do ensino e, essencialmente, o aperfeiçoamento das práticas docentes. Torna-se, portanto, uma inovação que implica atualização e reestruturação das condições educacionais das escolas brasileiras10.
Assim como crianças que não possuem deficiências têm seus direitos garantidos pela lei, também alunos com déficit intelectual devem ser incluídos na escola, de modo que recebam a mesma educação e oportunidades que os demais. A educação inclusiva proporciona aos alunos a convivência com a diversidade, resultando uma escola acolhedora das diferenças. Acima de tudo, crianças com déficit intelectual também são acolhidas e recebem respostas às suas necessidades educacionais específicas.
Sabendo-se que alunos com déficit intelectual apresentam complicações em apropriar-se de conteúdos abstratos, faz-se necessário o emprego de materiais pedagógicos concretos, estratégias metodológicas que facilitem sua aprendizagem e desenvolvam suas habilidades cognitivas.
Apesar da atual política educacional privilegiar a inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais em turmas comuns, alunos com déficit intelectual ainda são matriculados em escolas especiais18.
A partir da publicação da Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva e das Diretrizes do Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade de Educação Especial, dados recentes do MEC apontam que dos 700.824 alunos matriculados na Educação Especial, 330.794 possuem déficit intelectual. Tendo como foco o aluno com Síndrome de Down que apresenta déficit intelectual.
O objetivo dessa lei é assegurar a inclusão desses alunos na escola regular e para que se cumpra essa lei são necessárias algumas mudanças na escola e nas práticas pedagógicas do professor. São necessários conhecimentos em outras áreas que ofereçam alternativas que contemplem a diversidade dos alunos. Nesse sentido, devido aos avanços e descobertas da Neurociência, permite-se a compreensão de novas aprendizagens, assim ofertando subsídios para o ensino. A Neurociência inclui ciências naturais que possuem princípios que buscam compreender a estrutura e o funcionamento cerebral, dessa forma apresenta a cientificidade para se trabalhar com diferentes cérebros. Conhecer o funcionamento cerebral desse alunado é extremamente importante para uma prática pedagógica que funcione19.
Com base nas considerações explanadas, este estudo objetiva caracterizar as contribuições da Neurociência para a qualificação da mediação pedagógica para alunos com déficit intelectual.

A NEUROCIÊNCIA: AVANÇOS CIENTÍFICOS NA COMPREENSÃO DO DESENVOLVIMENTO HUMANO
No passado, o conhecimento do funcionamento cerebral e como o homem aprendia era uma curiosidade da humanidade. No entanto, para uma melhor compreensão careciam de equipamentos e técnicas, assim a concepção que se tinha era limitada pela falta de instrumentos de pesquisa. Antes se acreditava que o cérebro não tinha funcionalidade para o homem, exemplo disto, são os egípcios que guardavam as vísceras para estudo e o cérebro era jogado fora. Com a ciência moderna, houve a necessidade de estudar o sistema nervoso e seus conhecimentos trouxeram um novo apontamento para diferentes áreas do saber como, por exemplo, medicina e educação20-22.
Alguns pesquisadores tentaram explicar como o cérebro funcionava. No século XVIII havia pouco conhecimento sobre o assunto, que era baseado em hipóteses, a partir de experiências em cadáveres de animais e seres humanos que eram dissecados e observada uma série de estruturas diferentes anatomicamente e, a partir de então, pressupunham que se anatomicamente eram diferentes, a função deveria ser também distinta. Sendo assim, não se conseguiam fazer uma relação entre estrutura e função20-22.
O primeiro estudioso que fez considerações importantes a respeito do cérebro foi o médico e neuroanatomista Franz Joseph Gall (1758-1888), pioneiro em ilustrar as circunvoluções corticais. A partir de seu estudo, houve avanços para evidenciar o córtex cerebral e suas funções específicas. Já o cientista francês Pierre Flourens (1825) lutou para demonstrar que as teorias de Gall estavam equivocadas. Para tanto, por meio de estudos com cérebros de coelhos e pombos conseguiu demonstrar que os hemisférios cerebrais eram responsáveis pelas funções cognitivas superiores, a fala que no caso dos animais era emissão de som, a visão, a orientação, movimentos, conseguiu afirmar que esses hemisférios eram os responsáveis por essas ações. Provou também que o cerebelo era responsável pela regulação e integração dos movimentos e que o tronco cerebral era importante para o controle das funções vitais, como respiração, batimento cardíaco, regulação da pressão.
Estudos posteriores em países como Alemanha, França e Inglaterra, utilizando estimulação elétrica no córtex de primatas e cães, forneceram uma prova de que havia uma localização precisa das funções.
Outro cientista Pierre Paul Broca (1860-1870) estudou pacientes afásicos pós-morte que não falavam e identificou uma zona específica destruída por neurossífilis. Após a morte de uma pessoa doente que não falava, percebeu que havia tido sífilis, e esta quando não tratada atacava o sistema nervoso, identificou esta área que chamou de Broca, área que controla a fala.
O cérebro humano é um órgão complexo, responsável por coordenar muitas informações vindas dos sentidos, sistema imunológico e também das emoções. Ele é o centro de controle do movimento, sono, fome, sede e quase todas as atividades vitais necessárias à sobrevivência. Emoções, como o amor, o ódio, o medo, a ira, a alegria e a tristeza, também são controladas por esse órgão, que ainda recebe e interpreta os inúmeros sinais enviados pelo organismo e pelo ambiente. Alguns estudiosos também o chamam de encéfalo sendo suas funções ligadas à capacidade cognitiva e afetiva do ser humano. Possuem ventrículos que são diferentes câmaras cheias de líquidos. Este é composto por dois hemisférios justapostos e separados por um sulco e cerebelo constituído por dois hemisférios direito e esquerdo. Tronco encefálico é uma estrutura contínua com a medula espinhal que se esconde por trás do cerebelo e por dentro do cérebro23.
O córtex cerebral é a superfície do cérebro enrugada cheia de sulcos, região que estão representadas as funções neurais e psíquicas mais complexas. Geralmente dividido em grandes regiões denominadas lobos, seus nomes fazem referência aos ossos que os cobrem: o lombo frontal, parietal, occipital, temporal19.
Além desses lobos destaca-se também o lobo insular, região mais interna do cérebro. Qualquer lesão no cérebro pode afetar os lobos e causar sérias lesões e comprometimento gravíssimo das atividades.
Essas importantes regiões possuem funções que nos ajudam compreender como são os processos mentais que colaboram na aquisição, por exemplo, da aprendizagem, tão importante para ações pedagógicas em sala de aula com alunos com deficiência.
Esse órgão - que possui inúmeras funções - também tem cerca de cem bilhões de neurônios como estruturas básicas para seu funcionamento e suas atividades cerebrais se dá pela transmissão de sinais elétricos. Esses neurônios se adaptam e se modificam à medida que interagem com o meio ambiente, essa interação é realizada por meio dos cinco sentidos, portanto, são mutáveis, ou seja, possuem plasticidade, podendo modificar sua função24.
O sistema nervoso central reúne as estruturas neurais situadas dentro do crânio e da coluna vertebral, sendo dividido em encéfalo e medula espinhal. O encéfalo localiza-se no crânio e a medula espinhal é a parte que continua a partir do encéfalo no interior do canal da coluna vertebral. Ela é cilíndrica ou tubular, nela existe um canal cheio de líquido, apresenta funções motoras e sensitivas relacionadas ao controle do funcionamento do corpo. O encéfalo possui forma irregular com dobraduras e saliências com subdivisões.

CONTRIBUIÇÕES DA NEUROCIÊNCIA PARA O PROCESSO EDUCACIONAL INCLUSIVO DE ALUNOS COM DÉFICITS INTELECTUAIS
Neurociências é o estudo científico do sistema nervoso, cujo objetivo é investigar o seu funcionamento, sua estrutura, seu desenvolvimento e suas alterações, agregando suas diversas funções. Acrescentam-se ainda na sua definição, as ciências naturais que estudam princípios que descrevem a estrutura e atividades neurais, buscando a compreensão dos fenômenos observados.
A terminologia está no plural, pois, são muitas neurociências, possuindo várias abordagens e existem muitos modos de classificá-las dependendo do enfoque. Um jeito distinto de se conceber a diversidade de metodologias para se estudar o cérebro humano é - como proposto por Lent - relacionar, em princípio os distintos níveis anatômicos - funcionais que a biologia utiliza para o estudo dos seres vivos23. Pode ser: Neurociência Molecular (Neuroquímica ou Neurobiologia Molecular), que estuda as moléculas funcionais do sistema nervoso; Neurociência Celular (Neurocitologia ou Neurobiologia) cujo objeto de estudo são as células do sistema nervoso, sua estrutura e função; Neurociência Sistêmica estuda as células nervosas das diferentes regiões do sistema nervoso cuja função está relacionada à visão, à audição, etc.; Neurociência comportamental estuda as estruturas neurais do comportamento humano e outros fenômenos e a Neurociência cognitiva que lida com algumas capacidades humanas, como, por exemplo, a linguagem, e memória humanas20.
Assim sendo, são muitos os profissionais que estudam o cérebro humano, mas são os neurocientistas que realizam pesquisa em Neurociência. Especialistas como médicos, psicólogos, enfermeiros e, também, educadores e pedagogos têm se interessado quanto às contribuições do sistema nervoso para os processos de aprendizagem23.
Para a educação, a Neurociência contribui no sentido que, para essa abordagem científica, cada indivíduo é único, com um significado e identidade singular. As neurociências colaboram no entendimento do cérebro humano para saber como ele funciona e apontam mudanças em como ensiná-los25.
Além do mais, as descobertas sobre a plasticidade cerebral e a compreensão das funções mentais exercem influência sobre as práticas educacionais, as ações pedagógicas em sala de aula e direcionam ao professor novas formas de ensino.
Estudos recentes vêm sendo realizados nas áreas de Neurociências, a fim de demonstrar como o cérebro aprende, e os resultados quando aplicados no meio educacional são considerados satisfatórios. E uma das contribuições para a educação é que se traz para a sala de aula, juntamente com seus educadores e alunos, as novas descobertas dessa ciência, para serem aplicadas na sala de aula visando à aprendizagem e a maneira de se ensinar.
Para Pereira26, a Neurociência tem como objetivo dar os devidos esclarecimentos sobre as estruturas neuronais que apoiam as ações perspectivas ou motores, tão necessárias para a aprendizagem.
Especificamente para a educação, a Neurociência colabora para o processo de aprendizagem, pois essa ciência retrata o cérebro como o principal instrumento para a aprendizagem. Apresentando uma propriedade denominada plasticidade cerebral, esse órgão possui uma capacidade de reorganização cerebral conforme o uso, sendo sua notável característica, e conforme autores como Consenza & Guerra19, o cérebro humano em funcionamento modifica a estrutura cerebral do aluno.
A partir da Neurociência e do conhecimento neurocientífico gerado por essa ciência pode se abrir um diálogo com a educação no sentido de cooperação e parceria. Entretanto, deve-se considerar que seus conhecimentos não são uma nova proposta de educação, assim como os autores Consenza & Guerra19 esclarecem:
"(...) elas não propõem uma nova pedagogia nem prometem soluções definitivas para as dificuldades da aprendizagem. Podem, contudo, colaborar para fundamentar práticas pedagógicas que já se realizam com sucesso e sugerir ideias para intervenções, demonstrando que as estratégias pedagógicas que respeitam a forma como o cérebro funciona tendem a ser mais eficientes. Os avanços das neurociências possibilitam uma abordagem mais científica do processo ensino-aprendizagem, fundamentada na compreensão dos processos cognitivos envolvidos."
Quando uma criança na fase escolar não consegue aprender, educadores e professores fazem uma investigação para constatar porque o desempenho do aluno não corresponde ao esperado. As explicações a este tipo de situação são bem variadas: problemas familiares, condições ruins da família, deficiência, falta de interesse, preguiça, dentre outros. A escola sempre aponta direções externas a ela, a causa sempre está no outro, "dificilmente está no ensino, mas sim na aprendizagem"27.
Diante desse quadro, tanto psicólogos quanto neurologistas podem contribuir, pois quem faz um diagnóstico é o médico e não o professor, no caso da criança possuir uma patologia, distúrbios, deficiência ou transtorno, mas em se tratando de aprendizagem escolar o profissional que intervem no processo de aprendizagem é o educador que, com suas práticas pedagógicas, pode trazer diferentes possibilidades de aprendizagem a seus alunos28.
A contribuição desses profissionais é de suma importância, mas a abordagem de ensino e aprendizagem a tarefa é do educador. Nesse sentido, o conhecimento sobre a Neurociência pode contribuir, a fim de que saiba sobre o cérebro de seus alunos, como esse órgão processa os saberes, como aprende, e também pode sugerir as intervenções que o professor deve fazer com suas crianças, pois todos podem aprender. As ações pedagógicas em sala de aula podem ficar mais eficientes quando este conhece o funcionamento cerebral. Embora, não seja suficiente ter esse conhecimento, ele permitirá que o docente compreenda melhor como seus educandos aprendem e se desenvolvem19.
Se todos os alunos podem aprender, isto precisa estar explanado para os professores em suas práticas pedagógicas. Entretanto, deve-se considerar que a aprendizagem de cada um é diferente, acontece em tempos e etapas distintas e se desencadeia a partir de estímulos diferenciados. Todas elas estão demarcadas em suas atividades neurocerebrais. Há um trajeto químico no cérebro que mantém e que operacionaliza cada ação executada pelos alunos28.
A Neurociência, que trata da cientificidade do cérebro, aponta a plasticidade cerebral como uma habilidade que este possui de se reorganizar a partir do aprendizado dos aprendizes, de acordo com meio em que está inserido28.
Lent23, ao caracterizar essa habilidade cerebral, afirma que o ambiente contribui para modificar a estrutura do sistema nervoso, ou seja, o cérebro responde às atividades promovidas pela ação do ambiente que o atinge. A partir dessa exposição de Lent observamos que essa capacidade do cérebro de construir novas conexões neurais e modificar suas estruturas é que possibilita nosso aprendizado durante toda a nossa vida.
Conforme Relvas20, o cérebro humano tem a capacidade de adaptação, ou seja, se remodela de acordo com as experiências vivenciadas pelo sujeito, ou seja, o cérebro é maleável, que se modifica sob o efeito de experiências, ações e comportamentos dos indivíduos. Essa plasticidade é decorrente das atividades dos neurônios do cérebro, pois a cada experiência e aprendizado, novas conexões neurais são acrescentadas.

A NEUROCIÊNCIA E A MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA DE PROFESSORES CAPACITADOS E ESPECIALIZADOS
A Neurociência sendo uma aliada da educação possui fundamentos importantes para as práticas pedagógicas do professor e pode apontar intervenções para o docente em sala de aula. Nesse sentido, o educador deve buscar uma interlocução com a Neurociência em razão da sua contribuição para a atividade de ensino29.
Diante disso, o professor deve conhecer seus alunos, suas dificuldades e particularidades, a fim de promover o desenvolvimento da aprendizagem nas crianças. Não é tarefa fácil para os professores, a inclusão de crianças com deficiência na escola regular requer um trabalho organizado e sistemático, principalmente porque essa escola precisa ter qualidade de ensino a todos. E para que haja qualidade na educação deve-se atentar para os estilos de aprendizagem de cada aluno, ou seja, cada aluno possui caminhos que facilitam sua aprendizagem. São situações que envolvem o ambiente, emoções, aspectos sociológicos, físicos e psicológicos, com isto adota uma educação contextualizada que conceitua o aluno como sendo um ser ativo, construtor de seu próprio conhecimento.
Esses estilos de aprendizagem, combinados com fatores que podem ser favoráveis ou não, devem ser considerados, com isto a individualidade dos alunos é respeitada e, consequentemente, são impulsionados ao aprendizado30.
Alunos com déficit intelectuais, portanto, têm dificuldades de aprendizagem majoritariamente generalizadas que acometem a linguagem, a motricidade e a integração social. Por isso, não se deve esperar a mesma resposta entre uma criança com déficit intelectual de uma criança que não o possui, pois aquela possui lesões cerebrais e desajustes no sistema nervoso29.
Autores como Relvas20 apontam que a educação inclusiva necessita de intervenções pedagógicas renovadas com uma nova força em apoio à escolarização. A maior contribuição que a Neurociência oferece a educação são seus estudos a respeito do funcionamento cerebral que é modificado pela ação pedagógica.
A criança com déficit intelectual apresenta dificuldades e debilidades nas funções mentais: memória, percepção, raciocínio, e a falta dessas funções dificulta a aprendizagem escolar. Mesmo assim, diante desse quadro de alterações, é importante ressaltar que ela consegue realizar aprendizagens e conseguir formação profissional29.
Esses alunos em suas tarefas em sala de aula possuem dificuldades de concentração, não possuem autonomia em trabalhos coletivos, pois dependem do outro colega para responder, possuem raciocínio oscilante29.
Para se efetivar a inclusão, é necessário que as práticas educativas sejam diferenciadas para poder alcançar alunos com déficit intelectual. Lembrando que a compreensão do conteúdo curricular para o aluno com déficit intelectual é limitada, mas mesmo nessas condições existe a possibilidade de um desenvolvimento de suas potencialidades e devido à plasticidade cerebral pode-se pensar em estratégias diferentes de ensino.
Os alunos com deficiência, com desenvolvimento cognitivo mais lento, são mais vagarosos para aprender e são necessárias atividades de estimulação precoce, ou seja, criar situações que facilitem o desenvolvimento da criança.
Em sala de aula, o professor deve proporcionar um ambiente acolhedor de aprendizagens, e manter as crianças sempre ocupadas, mas sem cansá-las, deve dosar as atividades para que haja interesse de todos e participação principalmente da criança com déficit intelectual. E também deve usar a ludicidade de maneira agradável. Procurar dividir a atividade em etapas, ensinando cada criança até que sejam capazes de realizar a tarefa sozinha.
O indivíduo com deficiência intelectual tem condições de ser alfabetizado, por isso deve seguir um currículo adaptado às suas limitações, pois possui um ritmo mais lento que os demais, seu desenvolvimento deve ser respeitado. O ensino especializado para alunos com déficit intelectual é realizado junto ao atendimento educacional especializado (AEE), ensino que ocorre simultaneamente à sala de aula comum. Nesse ambiente, ocorre uma aprendizagem diferente dos conteúdos curriculares do ensino regular, pois a deficiência é observada e considerada a fim de que haja aprendizagem para o aluno, na perspectiva de conhecimentos importantes para a vida do aluno, para que tenha mais autonomia no seu dia-a-dia. Nesse processo, as intervenções do professor são muito importantes. Ele, juntamente com o professor da sala regular, devem interagir para que os conteúdos que ambos ensinam estejam interligados30.
A efetivação da inclusão recai exclusivamente sobre o professor, pois ele é que vai executar ou não as ações pedagógicas em sala de aula para incluir esses alunos. Porém, esses profissionais dizem-se sentir sozinhos ao especificar suas dificuldades com seus alunos30. No processo inclusivo é importante que todos da instituição escolar se envolvam: docentes, gestores e demais profissionais educacionais. Nesse sentido, a responsabilidade de efetivar a inclusão não fica exclusiva ao professor, ela é direcionada a todos na instituição escolar, isto inclui interferência do professor capacitado e também do professor especializado.
Para que haja intervenções pedagógicas de qualidade, o trabalho inclusivo deve ser em conjunto entre professores da Educação especial e Educação inclusiva juntamente com os professores do ensino regular. O educador especialista precisa colaborar com o professor capacitado, a fim de que juntos planejem ações educativas visando à aprendizagem de seus alunos30,31.
Na inclusão educacional, torna-se necessário o envolvimento de todos os membros da equipe escolar no planejamento de ações e programas voltados à temática. Docentes, diretores e funcionários apresentam papéis específicos, mas precisam agir coletivamente para que a inclusão escolar seja efetivada32.
Pensar as possibilidades de inclusão escolar das pessoas com Síndrome de Down de maneira efetiva, é oferecer oportunidades de aprendizagens de modo que o aluno ou a aluna seja participante ativo nestes ambientes que oportunizam o ensino.
Para que isto se cumpra, são necessários investimentos da parte de educadores, a fim de que a criança com Down "possa amadurecer as funções neurológicas, executar atividades diárias e, consequentemente, aprender e se desenvolver". Nesse sentido, é primordial a conscientização desses docentes sobre as potencialidades e capacidades desse aluno, pois, a clareza a respeito da síndrome fará com que tenha uma postura singular em suas ações metodológicas em sala. O grau de comprometimento na base cognitiva da criança não vai ser diminuído, o que pode ocorrer é o cérebro desse aluno, devido a sua plasticidade, responder aos estímulos externos feitos no indivíduo33.
A convivência escolar permite à criança a aquisição de conhecimentos exigidos na sociedade, e que é necessário à formação de qualquer pessoa com ou sem deficiência. Nesse ambiente, o ensino deve ser organizado e sistemático por parte do professor, de forma gradual, pois essas crianças não conseguem guardar muitas informações devido a limitações de memória e atenção. A aprendizagem deve ser facilitada e, por meio da ludicidade, deve-se permitir aos alunos momentos prazerosos de atividades. E também o professor deve lembrar que esses alunos, por não possuírem memória de curto prazo, precisam visualizar o que está sendo ensinado, com isto ele deve abusar de recursos visuais, a fim de que haja compreensão por parte do aluno29.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Discutir a temática do processo de desenvolvimento de alunos com déficit intelectuais é defender uma ação que garanta o acesso, a permanência e o desenvolvimento escolar efetivo.
Para tanto, a compreensão que o processo de inclusão demarca a necessidade de metodologias e ações diferenciadas que partam da consideração das particularidades dos alunos faz-se necessária à articulação com diferentes áreas do conhecimento que possibilitem o reconhecimento de novos embasamentos teóricos e científicos acerca do desenvolvimento humano e do processo de ensino-aprendizagem.
Dentre os avanços teóricos e científicos, ainda que escassos no contexto do nosso país, uma das áreas de maior impacto nas discussões sobre o desenvolvimento humano e as facetas do desenvolvimento cognitivo é a Neurociência, que não apenas oferta aportes recentes para a compreensão do desenvolvimento, como possibilita a organização de estratégias pedagógicas diferenciadas em específicos de alunos que apresentem déficit intelectual.
Como discutido, o déficit intelectual caracteriza-se por um funcionamento do intelecto inferior à média das pessoas e está presente em quase 100% dos casos de síndrome de Down. No cotidiano, isso significa que esses indivíduos têm dificuldades para aprender, entender e realizar atividades que comumente são feitas automaticamente.
Dessa forma, de acordo com os pressupostos da Neurociência, o desenvolvimento e aprendizagem são possíveis, com práticas pedagógicas e estimulação, por meio de atividades como cartazes, soroban e softwares a criança conseguirá focar a atenção em algo que seja mais concreto. Visto que alunos e alunas com déficit intelectual possuem limitações nas áreas da memória, atenção e concentração.
Entendemos que não podemos definir se uma metodologia pedagógica é mais eficiente que a outra, o que evidenciamos é que, para que docente seja capacitado ou especializado, o desafio é observar seus alunos e lidar com eles de acordo com suas necessidades e particularidades com ações pedagógicas que o atendam, dessa forma será mais eficiente. O professor e demais profissionais da instituição, diante da perspectiva inclusiva, devem planejar e rever suas estratégias de ensino, a fim de reformularem e adequarem os interesses de seus alunos.
Como considerações finais defendemos que é necessário o avanço no debate da formação e atuação docente com base no reconhecimento das bases científicas cognitivas do aprendizado, e das facetas que compõem o cérebro e suas conexões, e como esses elementos favorecem não só a elaboração de estratégias que minimizem o impacto dos prejuízos decorrentes dos quadros de déficit intelectual, mas acima de tudo posicionem os docentes como agentes centrais no processo de mediação, ação esta que deve ser contemplada com base na compreensão as particularidades e potencialidades desses alunos, à luz dos avanços teóricos, científicos e procedimentais sob os preceitos da Neurociência.

REFERÊNCIAS
1. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo demográfico e estimativas, 2012. Disponível em: http://www.ibge.gov.br. Acesso em: 20/1/2015.
2. Brasil. Estatuto da Criança e do Adolescente (Brasil, 8.069/90). Publicada em Diário Oficial da União de 16 de julho de 1990, p.13563. Acesso em: 20/1/2015.
3. Brasil. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Ministério da Educação e Cultura. 1996. Disponível em: www.mec.gov.br/legis/zip/lei9394/sip. Acesso em: 20/1/2015.
4. UNESCO. Declaração de Salamanca sobre Princípios Políticas e Práticas em Educação Especial. Disponível em: <www.direitoshumanos.usp.br.>. Acesso em: 17/9/ 2014.
5. Ministério da Educação e Cultura, Convenção da Guatemala,1999.
6. Convenção interamericana para eliminação de todas as formas de discriminação contra pessoas portadoras de deficiência. Convenção da Guatemala. Guatemala, 1999.
7. Ministério da Educação (MEC). Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica-MEC, SEESP, 2001.
8. Brasil. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Inclusão. 2008. Ministério da Educação. Disponível em: <www.portal.mec.gov.br.>. Acesso em: 20/1/2015.
9. Mantoan MTE. Ser ou estar: eis a questão. Explicando o déficit intelectual. Rio de Janeiro: WVA; 1997. 137p.
10. Mantoan MTE. Educação escolar de deficientes mentais: problemas para a pesquisa e o desenvolvimento. Caderno Cedes. 1998;19(46). Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32621998000300009&lng=en&nrm=iso>.
11. Mantoan MTE. Todas as crianças são bem-vindas a Escola. Universidade Estadual de Campinas / UNICAMP - Laboratório de Estudos e Pesquisas em Ensino e Reabilitação de Pessoas com Deficiência - LEPED/FE/UNICAM; 2001. (manuscrito).
12. Souza MPR. Políticas públicas e educação: desafios, dilemas e possibilidades. In: Viégas LS, Angelucci CB, org. Políticas Públicas em Educação & Psicologia Escolar. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2006. p.229-43.
13. Candau VM. Construir ecossistemas educativos: reinventar a escola. In: Candau VM, ed. Reinventar a escola. Rio de Janeiro: Vozes; 2000. p.11-6.
14. Libaneo JC, Oliveira JF, Toschi MS. Educação escolar: políticas, estrutura e organização. São Paulo: Cortez; 2003. 408p.
15. Moraes MC. O paradigma educacional emergente. São Paulo: Papirus; 1997. 238p.
16. Patto MH. A produção do fracasso escolar. São Paulo: T. A. Queiroz; 1996.
17. Souza VLT. Educação, valores e formação de professores: contribuições da psicologia escolar. In: Marinho-Araújo CM, org. Psicologia escolar novos cenários e contextos de pesquisa, formação e prática. São Paulo: Alínea; 2009. p.133-52.
18. Ferreira MEC. O enigma da inclusão: das intenções às práticas pedagógicas. Educ Pesqui. 2007;33(3):543-60.
19. Consenza RM, Guerra LB. Neurociência na educação. Como o cérebro aprende. Porto Alegre: Artmed; 2011.
20. Relvas MP. Neurociência na prática pedagógica. Rio de Janeiro: Wak; 2012.
21. Relvas MP. Neurociência e educação. Potencialidades dos gêneros humanos na sala de aula. 2ª ed. Rio de Janeiro: Wak; 2010.
22. Relvas MP. Neurociência e transtornos de aprendizagem. As múltiplas eficiências para uma Educação Inclusiva. 5ª ed. Rio de Janeiro: Wak; 2011.
23. Lent R. Cem bilhões de neurônios? Conceitos fundamentais de Neurociências. 2ª ed. São Paulo: Atheneu; 2010.
24. Houzel SH. Neurociências na Educação. Belo Horizonte: Cedic-Centro Difusor de Cultura; 2010. 54p.
25. Chedid KAK. Psicopedagogia, Educação e Neurociências. Rev Psicopedagogia. 2007;24(75):298-300.
26. Pereira MSC. Cérebro e educação aspectos que perpassam nas teorias da aprendizagem. In: Relvas MP, org. Que cérebro e este que chegou a escola? Rio de Janeiro: Wak; 2012. p.145.
27. Mendonça G. As práticas curriculares de sala de aula e a constituição das diferenças dos alunos no processo de ensino e aprendizagem. São Paulo: PUC-SP; 2005. p.1-16.
28. Almeida GP. As bases neurocientíficas da aprendizagem In: Relvas MP, org. Que cérebro é esse que chegou a escola? Rio de Janeiro: Wak; 2012. p.41-52.
29. Machado FS, Nazari J. Aspectos históricos das pessoas com deficiência no contexto educacional: rumo a uma perspectiva inclusiva. Lentes Pedagógicas. 2011;2(1). Disponível em: <http://200.233.146.122:81/revistadigital/index.php/lentespedagogicas/article/viewFile/416/397>. Acesso em: 20/1/2015.
30. Gomes C. Ensino colaborativo na educação inclusiva: desafios e perspectivas formativas. Rev Atos de Pesquisa em Educação. 2013. (No prelo).
31. Gomes C. Estilos de aprendizagem e inclusão escolar: uma proposta de qualificação educacional. Rev Psicopedag. 2006;23(71):134-44.
32. Sant'Ana IM. Educação inclusiva: concepções de professores e diretores. Psicol Educ. 2005;10:227-34.
33. Castro ASA, Pimentel SC. Síndrome de Down. Desafios e perspectivas na inclusão escolar. Atendimento educacional específico. In: Díaz F, et al., orgs. Educação inclusiva, deficiência e contexto social: questões contemporâneas [online]. Salvador: EDUFBA; 2009. p.303-12.


  


1. Pedagoga formada pela Universidade Federal de Alfenas, Alfenas, MG, Brasil
2. Profa. Dra. do nstituto de Ciências Humanas e Letras (ICHL), Universidade Federal de Alfenas, Alfenas, MG, Brasil

Correspondência
Claudia Gomes.
Rua Tiradentes, 830 - Centro
Alfenas, MG, Brasil - CEP 37130-000
E-mail: cg.unifal@gmail.com
Artigo recebido12/03/2015 
Aceito20/04/2015 

Trabalho realizado na Universidade Federal de Alfenas, Alfenas, MG, Brasil.

fonte: http://www.revistapsicopedagogia.com.br/detalhes/60/neurociencia-e-o-deficit-intelectual--aportes-para-a-acao-pedagogica